Anari Online - Notícias de Vale do Anari e Região!

Brasileira é presa acusada de abandonar filha recém-nascida em lata de lixo, nos EUA

De acordo com testemunhas, a brasileira trabalhava como manicure, era casada e mãe de outro bebê.

É brasileira a mulher acusada de abandonar sua filha recém-nascida em um latão de lixo em West Boca, na última quarta-feira (8). Rafaelle Alessandra Carvalho Sousa, de 35 anos, admitiu ter colocado sua filha em um saco e jogado na lata de lixo, segundo o Palm Beach County Sheriff’s Office.

Funcionários do condomínio Boca Entrada ouviram o choro do bebê vindo do dumpster e ligaram para a polícia ao ver que se tratava de uma recém-nascida. A menina foi levada para o hospital e agora está sob os cuidados do Florida Department of Children and Families.

Nesta sexta-feira (10), um juiz negou fiança para Rafaelle, que foi acusada de tentativa de homicídio e abuso infantil. O magistrado Ted Borras ordenou que a brasileira permaneça presa e responda pelos crimes. “Ela não tem autorização em ter contato com a criança, a vítima”, enfatizou o juiz.

Um intérprete de português/inglês participou da audiência. Segundo a polícia, a recém-nascida pesa cerca de 3kg e tem bom estado de saúde.

De acordo com testemunhas, a brasileira trabalhava como manicure, era casada e mãe de outro bebê.

Lei protege mães que não desejam manter o filho

Na Flórida, a mãe pode entregar para bombeiros ou em um hospital seu bebê recém-nascido – de até uma semana – em boas condições de saúde sem ter que dar satisfações sobre as razões ou ser punida por entregar o filho.

Nick Silverio, fundador da ‘Safe Haven for Newborns’ afirma que fica triste ao ver casos como esses, em que a mãe poderia ter entregue a criança e não tê-la jogado no lixo.

Na Flórida, 302 recém-nascidos já foram entregues desde que a lei foi aprovada em 2000. Em 2019, seis bebês foram entregues.

A menina filha da brasileira foi o primeiro da Flórida em 2019 a ser abandonado em vez de ser entregue em uma estação do Corpo de Bombeiros ou em um hospital. (Com informações do Sunsentinel)

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Brasileira é presa acusada de abandonar filha recém-nascida em lata de lixo, nos EUA

É brasileira a mulher acusada de abandonar sua filha recém-nascida em um latão de lixo em West Boca, na última quarta-feira (8). Rafaelle Alessandra Carvalho Sousa, de 35 anos, admitiu ter colocado sua filha em um saco e jogado na lata de lixo, segundo o Palm Beach County Sheriff’s Office.

Funcionários do condomínio Boca Entrada ouviram o choro do bebê vindo do dumpster e ligaram para a polícia ao ver que se tratava de uma recém-nascida. A menina foi levada para o hospital e agora está sob os cuidados do Florida Department of Children and Families.

Nesta sexta-feira (10), um juiz negou fiança para Rafaelle, que foi acusada de tentativa de homicídio e abuso infantil. O magistrado Ted Borras ordenou que a brasileira permaneça presa e responda pelos crimes. “Ela não tem autorização em ter contato com a criança, a vítima”, enfatizou o juiz.

Um intérprete de português/inglês participou da audiência. Segundo a polícia, a recém-nascida pesa cerca de 3kg e tem bom estado de saúde.

De acordo com testemunhas, a brasileira trabalhava como manicure, era casada e mãe de outro bebê.

Lei protege mães que não desejam manter o filho

Na Flórida, a mãe pode entregar para bombeiros ou em um hospital seu bebê recém-nascido – de até uma semana – em boas condições de saúde sem ter que dar satisfações sobre as razões ou ser punida por entregar o filho.

Nick Silverio, fundador da ‘Safe Haven for Newborns’ afirma que fica triste ao ver casos como esses, em que a mãe poderia ter entregue a criança e não tê-la jogado no lixo.

Na Flórida, 302 recém-nascidos já foram entregues desde que a lei foi aprovada em 2000. Em 2019, seis bebês foram entregues.

A menina filha da brasileira foi o primeiro da Flórida em 2019 a ser abandonado em vez de ser entregue em uma estação do Corpo de Bombeiros ou em um hospital. (Com informações do Sunsentinel)

Publicidade

Publicidade